OS DESAFIOS DAS APLICAÇÕES COM AERONAVES AGRÍCOLAS E DRONES NO BRASIL

O tratamento fitossanitário nas principais culturas deve seguir os princípios do Manejo Integrado de Pragas, para que o momento e a precisão de qualquer aplicação de defensivo agrícola de origem química ou biológica seja precisa, para minimizar os efeitos adversos em espécies não-alvo. O desenvolvimento de drones, ou VANTs (veículos aéreos não tripulados), é um meio de fornecer uma aplicação mais localizada da dose correta. Em muitos casos, o uso tem sido combinado à utilização de formulações mais persistentes no alvo, minimizando as perdas em áreas sujeitas à chuva, por exemplo.

Evitar o uso de doses muito altas permite maior sobrevivência dos inimigos naturais e reduz a pressão de seleção de pragas que se tornam resistentes a modos de ação específicos. O fluxo descendente de ar de um VANT também pode fornecer uma melhor distribuição e impacto de gotas dentro do dossel de plantas. Esta técnica também possibilita aplicações quando os campos estão muito úmidos para acessar com equipamentos terrestres. Na Ásia, muitos pequenos agricultores estão usando um VANT vez de um pulverizador costal.

De acordo com Matthews (2018), foi demonstrado que a pulverização com volumes menores pode ser eficaz, mas precisa de um espectro de gotas homogêneo, com as gotas permanecendo estáveis e sem evaporar para não se tornarem muito finas. O desenvolvimento e pesquisa de novas formulações pode reduzir a volatilidade, se enquadrando nesse cenário.

Mais pesquisas precisam ser feitas, para melhor entendimento da técnica.

Fernando K. Carvalho1 *; Rodolfo G. Che 1chetto1; Alisson A. B. Mota1; Ulisses R. Antuniassi 2

1 Engenheiro Agrônomo, Pesquisador da AgroEfetiva, Botucatu / SP, Brasil;
2 Professor, Universidade Estadual de São Paulo, UNESP, Botucatu / SP, Brasil.

Outlooks on Pest Management – April 2020

Basta preencher o formulário abaixo para receber o artigo em seu e-mail.